São Paulo

Author: Heitor de Oliveira /

Olha como tudo estava indo bem: os dias amanheciam felizes, os pássaros cantavam na janela, o sol nascia em um brilho intenso cheio de calor, um calor que penetrava os olhos e os fazia lacrimejar. Quase todas as tardes os afazeres eram simples, algumas lições, uns livros para ler e metas a cumprir que eram invariavelmente cumpridas a tempo todos os dias. Minha amada ? Vivia sorrindo e eu retribuindo, conversávamos todos os dias pelo telefone e vez em quando, pessoalmente. Durante a noite o jantar era simples e era muito gostoso dormir cedo. Claro que vira e mexe eu me entretia em leituras complementares e acabava me perdendo no tempo, mas nada que me fizesse acordar tarde no dia seguinte. Acontece que uma vez o dia amanheceu escuro, o céu cheio de cinzas e os carros passavam inquietos atrapalhando o sono de todos. Saí de casa aos afazeres e descobri que não havia ali amigos; no almoço, acabei comendo sozinho; na volta para casa o meu pai não foi me buscar, tive de me virar; no jantar apenas um pão com queijo e na hora de deitar a sensação de incompleto. Foi assim quando deixei minha casa, foi assim quando minha vida mudou. É incrível como aguentei e aguento até hoje essa prisão. Não tenho amigos onde moro, não consigo terminar meus afazeres e ainda por cima me vem na cabeça as lembranças de um tempo que passou.

1 comentários:

Ana Ferreira disse...

Meu Deus...

Postar um comentário